Minas Faz Ciência: Quando a pele revela histórias

Equipamento calcula idade gestacional de recém-nascidos com mais precisão e ajuda a salvar bebês prematuros

Basta um rápido passeio pelas redes sociais para encontrar imagens de exames de ultrassom, compartilhadas por mães e pais orgulhosos e ansiosos pela chegada
de um bebê. Além do sexo, a moda é ver o rostinho da criança, por meio de imagens tridimensionais – e, até mesmo, em 4D. As inovações tecnológicas avançam a passos largos, mas nem de longe são universais. No Brasil, mais da metade das gestantes não têm acesso ao ultrassom no início da gravidez: 60% delas iniciam o pré-natal tardiamente, após a 12ª semana de gestação. Os dados são da Pesquisa Nascer no Brasil – Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento, realizada entre fevereiro de 2011 e outubro 2012, que envolveu quase 24 mil mulheres e seus filhos recém-nascidos. (continua)

Acesse e leia a matéria na íntegra: https://issuu.com/fapemig/docs/minas_faz_ci__ncia_ed_72/10

Trecho do editorial:

“Outro destaque é uma importante pesquisa realizada por equipe da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, cujo foco são os bebês prematuros, ou seja, aqueles nascidos com menos de 37 semanas de gestação. Como aponta a reportagem de Alessandra Ribeiro, essas crianças estão sujeitas a complicações nas primeiras horas de vida. Saber com precisão a idade gestacional é importante para que a equipe médica possa antecipar cenários e tomar decisões. Porém, ainda é comum no Brasil que muitas mulheres iniciem o pré-natal tardiamente, o que resulta em idade gestacional não confiável.

O trabalho do grupo de pesquisadores resultou em um equipamento, já patenteado, que calcula a idade gestacional de recém-nascidos. Batizado de skin age, ele fornece os resultados com rapidez e pode ser manuseado por qualquer profissional de saúde – basta encostar o sensor de luz LED na pele do bebê, por alguns segundos. Pelas possibilidades, despertou o interesse do Ministério da Saúde, que sinalizou com apoio para realização de um estudo em escala nacional.”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *